terça-feira, 26 de maio de 2015

Fui viver sozinha # 1

Olá meninos e meninas, gostosos e gostosas, lindos e lindas, amores e amoras.
Voltei cheia de pica. Pois é. Temos algumas novidades deste lado.
Habemus casa própria. Pois é, euzinha, a menina da mamã, mimada, birrenta, saiu de casa dos pais e foi viver sozinha com o seu mais que tudo.
Estamos há uma semana a viver sozinhos e tem sido ma-ra-vi-lho-so. Não há mesmo nada como a nossa casa, as nossas coisas, o nosso espaço, o nosso tempo.
A minha rotina mudou drasticamente, visto que agora conto essencialmente comigo, comigo e comigo para organizar todas as tarefas em dia a tempo e horas. O R ajuda-me muito, mas há coisas que eu faço muita questão de ser eu a fazer e que só uma mulher sabe fazer da melhor maneira (ou ás vezes da maneira mais rápida).
Com a saída da casa dos pais acabaram-se os cremes que tinham pernas, o shampô que acabava mas não tinha sido ninguém, as toalhitas desmaquilhantes que pediam as pernas emprestadas aos cremes e desapareciam também. Tudo é meu, tudo é controlado por mim. Ele não usa as minhas coisas, o que faz com que eu tenha o poder total e saiba onde estão as minhas coisas, sempre.
Manas, amo-vos muito mas esta parte eu amei, que foi não ter-vos a entrar no meu quarto a pedir as minhas coisas e esquecerem-se que tinha um "v" de volta na ponta.
Agora é tentar pôr as coisas à minha maneira no menor tempo possível. E tentar não enlouquecer com a rotina de uma boa dona de casa. Tenho que confessar que gostava mais quando a loiça do pequeno almoço aparecia lavada, a cama aparecia feita e as toalhas do banho apareciam mudadas. Era como um ápice. 
Agora passa tudo pelas minhas mãos. Até a minha felicidade. E que feliz que isso me deixa!


Beijo,
Susana